sexta-feira, 20 de maio de 2011

Resumo do livro ‘’O Corpo Fala’’ de Pierre Weil e Roland Tompakow

        Pela linguagem do corpo; dizemos muitas coisas aos outros. Antes de tudo, nosso corpo é um centro de informações para nós mesmos. É uma linguagem que não mente. A grande maioria das pessoas ignora a existência da linguagem do corpo quando se relacionam. Gestos, olhares, posições do corpo, etc. comunicam normalmente à verdade que as palavras não conseguem dizer. A estrutura do nosso corpo é demonstrada nas páginas desse livro, que nos dará uma nova dimensão na comunicação pessoal.
A comunicação é fundamental nas relações pessoais, empresarias e educacionais. Pode ser feita de várias maneiras, entretanto, só existe realmente quando a mensagem é recebida com o mesmo sentido com o qual ela foi transmitida. O importante na observação e aplicação da linguagem não verbal é que ela esteja em concordância com a linguagem verbal, de forma que a comunicação seja um processo completo e coerente.
O corpo fala e fala mesmo. Aponta as mentiras, expõe verdades inconscientes, reforça as idéias, dá ênfase à comunicação. Devemos estar atentos para o fato que muitas vezes transmitimos sem perceber uma mensagem verbal diferente da mensagem corporal. As duas formas devem contribuir para o fortalecimento uma da outra, aumentando a credibilidade nas informações transmitidas. Por mais clara e assertiva que seja uma mensagem, sempre vai envolver subjetividade, pois este processo envolve relações humanas, envolve vários fatores na emissão, recepção e percepção da mensagem.
O livro “O Corpo Fala”, de Pierre Weil e Roland Tompakow, procura mostrar a linguagem manifestada pelo corpo, nos diversos tipos de relacionamentos humanos que temos ao longo de nossas vidas.
Por se tratar de um livro que explica os aspectos do comportamento humano, o conteúdo não é somente transmitido por meras palavras, e sim por ilustrações que facilita o nosso entendimento, formando uma unidade de comunicação intensa, clara, simples e divertida.
No primeiro capítulo do livro recebemos um convite para folhear um pouco o livro para o despertar da curiosidade.Conheceremos três animais que vão fazer parte de todo o vocabulário do livro. O tópico traz uma introdução de como analisar as atitudes corporais como base na forma que aprendemos o alfabeto. Informa-nos que falamos através de cada gesto feito como andar, sorrir, virar a mão para cima ou para baixo, o olhar, a fala e vários outros movimentos pode- se mostrar a linguagem do corpo. Todo o processo desde o nascimento, mostramos a linguagem corporal, aprender a andar, a falar, a raiva, o medo, ou seja, as vontades e desejos do homem e durante a sua vida.
A partir do segundo capítulo do livro, compara o corpo humano a esfinge que é dividida em três partes (boi, leão e águia) o boi que equivale ao abdômen da esfinge significa vida instintiva e vegetativa, desta forma o homem mostra seus desejos, a apetites, ou a seus próprios instintos do dia a dia como comer, dormir, portanto seus desejos e outras vontades que se localizam no abdômen. O leão mostra o emocional do ser,( o coração) o centro de toda emoção do homem, são todos os nosso sentimento como medo, amor, ódio,raiva , susto, timidez, ser submisso ou retraído, mostra o equilíbrio e outras emoções que vem de dentro para fora.
Estendendo se para os demais capítulos, o assunto será sobre símbolos e as explicações sobre eles, vendo que um símbolo antigo nos dará a estrutura psicossomática do homem e da linguagem do corpo. Desde os tempos imemoriais, usam - se símbolos – mensagens sintéticas de significado convencional. Usando um símbolo, pode - se comparar o corpo humano a uma esfinge; àquela esfinge dos egípcios ou dos assírios. A esfinge era composta por quatro partes: corpo de boi, tórax de leão, asas de águia; e cabeça de homem.
Existe uma tradição muito antiga, que cada uma destas partes representa uma parte do físico do homem e também na sua correspondência psicológica. Sendo:
Boi – abdômen: vida instintiva e vegetativa;
Leão – tórax: vida emocional;
Águia – cabeça: vida mental (intelectual e espiritual);
Homem – conjunto: consciência e domínio dos três inconscientes anteriores.
Este esquema pode ser aplicado à expressão corporal:
O Boi, em evidência na nossa expressão corporal, tende a traduzir por uma acentuação do abdômen. A pessoa avança o abdômen; isto se encontra em pessoas que gostam de boas refeições, que se senta à vontade diante de uma farta mesa de jantar.
O Leão se evidência pelo tórax onde reside o coração; é o centro da emoção. Os especialistas em expressão corporal, sobretudo os coreógrafos, o consideram como o centro do EU.
Assim, quando há uma postura de preponderância do tórax, estamos em presença de uma preponderância do EU. São pessoas vaidosas, egocêntricas e extremamente narcisistas; ou naquele momento querem se impor. Ao contrário, quando o tórax está encolhido, estamos em presença de uma pessoa cujo EU está diminuído; são pessoas tímidas, submissas ou que naquele momento se sentem dominadas pela situação.
Um tórax em postura normal significa um EU equilibrado.
Pode - se observar o estado emocional da pessoa, olhando atentamente para o seu tórax:
- Aumento da respiração significa tensão e forte emoção.
- Suspiros são indicadores de ansiedade e angustia.
A Águia, representada pela cabeça, nos indica o estado de controle do corpo pela mente:
- Cabeça erguida significa hipertrofia do controle mental.
- A cabeça, em posição normal indica um controle normal da mente.
Nós, ocidentais, estamos infinitamente mais habituados a observar expressões na cabeça do que no restante do corpo das pessoas.
Na própria cabeça temos representados os três animais:
- O boi, representando pela boca por onde entram os alimentos.
- O leão, representado pelo nariz onde entra o oxigênio para os pulmões.
- A águia, representada pelos olhos que são o espelho da mente.
Há um número imenso de ações – reações programadas no nosso sistema nervoso – que é ele próprio, nosso sistema de percepção. Muitas percepções são inconscientes, anteriores até a própria espécie, como, por exemplo, os que governam os nossos movimentos intestinais.
Como por exemplo, quando tem mensagens visuais demais; competindo entre si para clamar pela nossa atenção. Vemos tudo, mas só registramos conscientemente o que nos interessa.
O rosto e as mãos emitem seus “balões-legenda”, embora não tenham boca para falar.
Por exemplo, o rosto expressa sentimentos que podemos chamar de encanto, enlevo, entre outros.
A inclinação do corpo fala sempre, se a inclinação do corpo de uma pessoa está para trás; pode significar que está simplesmente relaxando, confortavelmente descansado. Mas se está com os músculos tensos, pode significar resistência ou rejeição.
Se a pessoa está interessada em alguém ou algo, a inclinação do seu corpo tende a mostrar naturalmente esta sua inclinação emocional.
O corpo fala o que a mente contém, por exemplo, uma pessoa que te encara com firmeza mostra interesse amável em você e o olhar que te evita com o sorriso que não chega a firmar - se mostra a fraqueza.
Muitas vezes acontece que, numa conversa, não podemos ou não queremos exprimir nossos sentimentos. Isto também é expresso pelo corpo.
É comum um homem fazer um gesto inconsciente de proteção qualquer à sua companheira, quando algum possível rival se aproxima.
O que amamos?
A Águia ama o raciocínio, o saber, a satisfação da sua curiosidade. É realista, foge da ilusão; procura enxergar o longe. Quer o “certo”, “usa a cabeça”...
O Leão ama o sentimento, música, cores, poesia e forma. Distingue entre as lágrimas e o riso. Não raciocina, é impulsivo. Quer o “belo”, o “bondoso”...
O Boi ama os prazeres simples, aqueles que são importantes para a sobrevivência do ser humano: respirar o bom ar, beber e comer bem, dormir comodamente, etc.
No reino animal, a territorialidade apresenta muitas funções vitais, desde os reflexos necessários para se esconder do inimigo até surpreender a presa, comunicar ou reproduzir a espécie.
No décimo capítulo em diante, o autor vem mostrar toda a parte de energia que o corpo humano transmite de forma exploratória, que mais uma vez através da esfinge ele vem a mostrar tanto a forma consciente e instintiva como o domínio e emoção que desperdiça energia o corpo mostra todas as informações necessárias do que está acontecendo no momento. Vindo a armazenar idéias e sentimentos como a fome, medo, desejo sexual, o autor mostra freqüentemente mostra exemplos de atitudes corporais e o que o corpo transmite como suas atitudes de direção e intensidade de fluxo de energia do corpo a seguir mostra as modificações de comportamentos interpessoais como contemplação cruzamento de braços, medo, raiva, expressão do rosto, inclinação do corpo, mãos frouxas, dedos estirados e entreabertos, enfim várias formas de mostrar-se dentro do território dando continuidade de o corpo expressar componentes de energia do estudo, ou seja, cada parte de nosso corpo nos mostra de certa forma a percepção do emocional dentro da expectativa humana através de varias atitudes como comunicação verbal do corpo humano, acima foi citado o medo, alegria, tristeza, um olhar, ódio, mutismo e outras formas de expressão.

Alguns gestos e seus significados que aprendemos com o livro:

1. O cumprimento com a mão num forte aperto é sinal de que não há restrições. A mão frouxa é sinal de que a pessoa tem medo de ser envolvida.
2. Sentando com a pasta ou a bolsa sobre o colo, "protegendo o boi". Significa que você não está à vontade.
3. Pés em direção a pessoa indicam que você se interessa por ela. Se eles estiverem voltados para a porta, é a direção em que o corpo quer ir.
4. Com braços cruzados no peito, você não quer mudar a opinião e nem aceitar o que estão lhe falando.
5. Puxar os cabelos significa que você busca uma grande idéia. Cotovelos apoiados fazem a delimitação de espaço quando a pessoa sente-se invadida, intimidada.
6. Morder a caneta e mexer no queixo mostram que a pessoa está estimando a situação proposta.
7.As mãos na frente da boca geralmente significam que a pessoa deseja falar algo, mas não tem a oportunidade ou não sabe ao certo o quê.
8. As mãos cruzadas para trás é um sinal que não se concorda muito com o alvo da discussão.
9. As mãos fechadas mostram insegurança, como se agarrasse algo para não cair.
10. Com as mãos abertas significa que concorda com a situação.
11.Se a estufa o tórax, ela quer se impor e se afirmar diante dos outros. O contrário mostra pessoas reprimidas, tímidas ou dominadas pela situação naquele momento.
12. Aumento da respiração significa tensão e emoções fortes.
13.Roer unhas e estas com as mãos que sempre mexem em tudo, é sinal de tensão.
14. Cabeça encolhida entre os ombros significa agressividade.
15. Queixo apoiado nas mãos mostra uma espera paciente.

O importante na observação e aplicação da linguagem não verbal é que ela esteja em concordância com a linguagem verbal, de forma que a comunicação seja um processo completo e coerente.
Devemos estar atentos para o fato que muitas vezes transmitimos sem perceber uma mensagem verbal diferente da mensagem corporal. As duas formas devem contribuir para o fortalecimento uma da outra, aumentando a credibilidade nas informações transmitidas.
Por mais clara e assertiva que seja uma mensagem, sempre vai envolver subjetividade, pois este processo envolve relações humanas, envolve vários fatores na emissão, recepção e percepção da mensagem.
O importante é ter a sensibilidade de colocar-se no lugar do outro, perceber o seu momento. Quando aprendemos a prestar atenção em nossa linguagem corporal e a interpretar corretamente a dos outros, passamos a ter maior controle sobre as situações. Passamos a identificar sinais de abertura, de tédio, de atração ou de rivalidade e agir de forma adequada para a condução de todos à escolha da melhor opção naquele momento. Aplica-se tanto na vida pessoal quanto no mundo corporativo.
Lendo esse livro daremos a devida importância a linguagem corporal, por que realmente: O CORPO FALA!!!!

3 comentários:

  1. li o livro eé muito bom mesmo,depois q a gente le v as pessoas de outro modo!!!no bom e mal sentido!!rsrsrsr

    ResponderExcluir
  2. A imperfeição sujeitou a humanidade a erros e falhas.
    Era preciso sujeitar essas falhas e erros a uma previa descrição e ,dessa forma com a mesma perfeição que a imperfeição foi descoberta seria possível ver como essas imperfeições se manifestavam.
    Este livro, decifra a ciência psicológica das imperfeições, reveladas através do próprio portador delas.
    Alessandro Fabio dos santos /Uniítalo

    ResponderExcluir
  3. Excelente resumo.

    Parabéns pela iniciativa, também li o livro e gostei muito.
    A partir de agora podemos "analisar" as pessoas de outra maneira.
    Recomendo para quem quiser livro muito bom.

    ok!

    bjo!

    ResponderExcluir